Turismo

- Vila Real de Santo António:

vrsa cidade

Fundada em 1774, por ordem do Marquês de Pombal, a cidade foi construída em menos de dois anos sobre o areal junto à foz do Guadiana. O objectivo era o de controlar o comércio neste importante ponto de fronteira e desenvolver as pescas, que mais tarde fariam surgir a industria conserveira. Hoje é uma cidade virada para o comércio e turismo, tendo o privilégio de se encontrar na foz do Guadiana (que a limita a nascente), junto à praia (limite sul), ao pinhal (a poente) e à Reserva Natural do Sapal (a norte).

Património Arquitectónico

cidade historico

•  Zona Histórica Pombalina – O traçado geométrico do urbanismo pombalino que fez nascer a cidade, constitui, hoje, a sua principal área comercial. As ruas confluem para a Praça Marquês de Pombal, com um obelisco central e quatro torreões pombalinos a marcar-lhe os vértices, onde se encontram os edifícios da Câmara Municipal e da Igreja Matriz. Na marginal do Guadiana, a zona histórica é delimitada por outros dois torreões, simetricamente distribuídos em relação ao edifício da Alfândega.  

igreja vrsa

•  Igreja Matriz de Nossa Senhora da Encarnação – Construída no séc. XVIII, sofreu incêndios que a desfiguraram. Retábulos das capelas laterais ao gosto “rocaille”. Bom conjunto de imagens do séc. XVIII, com destaque para Nossa Senhora da Encarnação, da autoria do escultor Machado de Castro. Os vitrais da capela-mor e do baptistério, instalados na década de 40, são da autoria do pintor algarvio Joaquim Rebocho.
 

•  Praça Marquês de Pombal – É o principal largo da cidade. O seu delineamento deve-se ao arquitecto principal da corte, o capitão Reinaldo Manuel dos Santos. Os seus quatro lados, hoje ornados com árvores, sob as quais a Câmara Municipal tem colocado assentos, tornam a praça encantadora. Ao centro ergue-se o famoso Obelisco . Em sua frente, lado Norte, fica o templo paroquial. No início esta Praça tinha a designação de Praça Real, depois foi denominada Praça do Comércio, e actualmente, nos registos da Câmara Municipal, tem o nome de Praça Marquês de Pombal, em memória ao seu fundador. É um largo espaçoso, perfeitamente quadrado, tendo 330 palmos de comprimento cada face (palmo=22cm).

obelisco

•  Obelisco – Pelas cinco horas da tarde de 13 de Maio de 1776, as tropas vindas de Tavira, reuniram em volta da Praça Real, semeada de flores e juntaram-se nas escadas do Obelisco os clarins, trompas e mais instrumentos bélicos e músicos, que tocaram ao tempo que o general D. José Francisco da Costa e Sousa – capitão general do reino do Algarve – apareceu à janela da Câmara e descobriu a coroa imperial que encima o Obelisco e a sua execução aberta na base, lado norte. Este Obelisco foi mandado construir no centro da praça da vila pelo comércio das pescarias. É um belo monumento. Tem pois o Obelisco a data do ano de 1775, mas só foi exposto ao público a 13 de Maio de 1776.

•  Centro Cultural António Aleixo – O edifício onde se alojava o quartel militar, quando da fundação da Vila, foi depois transformado em mercado da verdura. Agora é um espaço polivalente de animação cultural e tem o nome de um dos mais importantes poetas populares do país, nascido em Vila Real de Santo António. alfandega

•  Casa da Alfândega – A cobrança de impostos sobre transacções com Espanha, evitando o contrabando, foi a razão primeira da edificação de Vila Real de Santo António. A Casa da Alfândega tinha eo portal encimado por um selo real (tal como o ainda existente no arco da Capela mor da Igreja Matriz), mas o símbolo foi apeado desse lugar após o 5 de Outubro de 1910. Utilizado pela Guarda Fiscal, o edifício deixou de ser utilizado na década de 90, na sequência do Mercado Único Europeu, em 1992. Recentemente, a Câmara  de Vila Real de Santo António aprovou o ante-projecto de arquitectura relativo à reabilitação do edifício e sua utilização pela Assembleia Municipal.

•  Largo Lutegarda de Caires – Antigo Largo da Bica, hoje dedicado à poetisa e socióloga natural desta cidade.

largo antonio aleixo

•  Largo António Aleixo – Primitivo Largo da Forca, “género” urbanístico como o de Lutergarda de Caires, leva hoje o nome do poeta que, segundo “vox populi” nele nasceu.

zona ribeirinha

•  Zona Ribeirinha (Av. da República) – Edificada toda ela por casas nobres de dois pisos, está virada a Espanha, como se de um “desafio” se tratasse. Construída entre os dois torreões (Norte e Sul), nela se fixaram as Companhias e alguns particulares que vieram povoar a Vila Pombalina.

hotel guadiana

•  Hotel Guadiana – Embora com a sua construção se visse desvirtuada a traça pombalina, a obra do arquitecto Ernesto Korrodi, em estilo “arte nova”, inaugurada oficialmente em 1926, deu à Av. da República mais um atractivo de beleza arquitectónica.

capitania

•  Capitania – Construída no local onde antes existira a Fábrica de conservas Victória. Está ricamente decorada com painéis de azulejos historiados. 

Farol – Levantado em 1923, veio substituir o antigo “Farolinho de ferro” que se situava em plena mata, a sueste daquele.

- Visitas ao farol de VRSA: todas as quartas-feiras às 15h00 e às 16h00.

Mais informações: 281 544 402

•  Casa Parodi (Actual Conservatório Regional de Vila Real de Santo António) – Casa de residência da família Parodi, que aqui edificou a primeira fábrica de conservas em 1879.

arquivo 

• Arquivo Histórico Municipal – Torreão Sul – O Torreão Sul, edifício que alberga o Arquivo Municipal, constituía o limite sul da fachada da Vila, no seu traçado inicial. Este imóvel é um dos mais importantes elementos arquitectónicos da zona histórica. A sua recuperação e restauração, de acordo com a traça original, tornam-no um precioso e belo documento histórico. Numa das salas do primeiro piso encontra-se a Galeria Manuel Cabanas com um conjunto de xilogravuras produzidas pelo artista cacelense.

folque

•  Casa dos Folques – Antigo edifício Ramirez, mais tarde adquirido pela família Folques, foi projectado pelo arquitecto Raúl .... em 1926.

•  Esquadra da PSP – Edifício particular mandado edificar por Rodrigo Aboim no início dos anos vinte do século passado. Foi mais tarde sede da delegação do Banco de Portugal em Vila Real de Santo António.

•  Consulado de Espanha – Foi residência mandada construir por uma família grega ligada à industria conserveira.

•  Escola Primária – Antiga Escola Sousa Coutinho, foi uma criação da 1ª República, mais tarde remodelada pelo Estado Novo.

 

Património Natural

sapal

•  Reserva Natural do Sapal de Vila Real de Santo António – Os apreciadores de aves e plantas têm nesta Reserva locais privilegiados para a sua observação. Dispõem ainda de um Centro de Acolhimento para orientação de visitas.

mata

•  Reserva Natural da Mata de Vila Real de Santo António – A sombra fresca dos pinheiros da Mata Nacional, que liga Vila Real de Santo António a Monte Gordo, é um convite a revigorantes passeios, ao conhecimento da sua flora e fauna.

•  Ponta de Santo António – Assim chamada por nas imediações ter existido a Vila de Santo António de Arenilha, aí foi erguida, no século XVI, uma ermida dedicada a Santo António.

 

Outros Locais de Interesse

marina

•  Doca de Recreio – A recente Doca de recreio de Vila Real de Santo António situada na foz do rio Guadiana representa uma forte aposta no sector turístico. Além dos "marinheiros" nacionais, esta Doca acolhe embarcações provenientes de alguns dos países cujos turistas mais nos procuram, tais como Espanha, França, Inglaterra e Holanda, devido à sua situação privilegiada, na foz do rio Guadiana. A partir daí, é possível subir o rio e conhecer localidades típicas algarvias com postos de amarração. É ainda possível "ganhar" o Oceano Atlântico e partir para a aventura, ficando a conhecer melhor a nossa costa.

estadio

•  Complexo Desportivo – Integrado na zona do pinhal encontra-se o Estádio com pista de atletismo em piso sintético, dois campos relvados de apoio, pavilhão gimnodesportivo, pista de cross, ginásios, pista para treinos de velocidade, courts de ténis e recintos polidesportivos ao ar livre. Esta área tem óptimas zonas de passeio e equipamentos lúdicos para crianças.

monte gordo

- Monte Gordo:
Apenas a 3 Km de Vila Real de Santo António, esta antiga vila de pescadores, situada entre um vasto pinhal e o mar foi pioneira na exploração turística no Algarve, com a construção de um dos primeiros hotéis da região nos anos 60. Com uma extensa e bela praia, um clima ameno e várias zonas pedonais, em calçada portuguesa, Monte Gordo é um dos principais destinos turísticos do Algarve.
Monte Gordo oferece também para além da praia outras actividades de lazer, como o Casino, e um grande número de bares e de restaurantes onde poderá apreciar a gastronomia algarvia, rica em peixe e mariscos.
De destacar a procissão da Nossa Senhora das Dores no 2º Domingo do mês de Setembro, acompanhada por barcos de pescadores, meticulosamente adornados, ao longo de toda a baía.

Património Arquitectónico

•  Igreja de Nossa Senhora das Dores – Templo antiquíssimo, possivelmente tão antigo quanto a povoação de Monte Gordo. Tem, sob si, vestígios de outra igreja que as areias soterraram.

Património Natural

praia monte gordo

•  Praia de Monte Gordo – A beleza da sua praia, as águas seguras e cálidas atraíram os primeiros turistas estrangeiros na década de 60, dando-lhe um lugar pioneiro no desenvolvimento do turismo algarvio. Hoje, Monte Gordo é um centro turístico internacional, com um casino entre os seus múltiplos equipamentos.

•  Viveiro Florestal

Outros Locais de Interesse

casino monte gordo

•  Casino de Monte Gordo – Veio substituir, em 1934, o primitivo (Casino Peninsular) que lhe ficava a curta distância. Foi posteriormente remodelado por diversas vezes.

calçadão

•  Avenida Infante D. Henrique (Passeio Pedonal) – Uma ampla avenida marginal vedada ao trânsito automóvel permite tranquilos passeios em frente ao mar.

manta rota

- Manta Rota:
Localizada entre o estuário do Guadiana e o início da Ria Formosa, Manta Rota engloba uma praia de 12 Km, uma das mais extensas da Europa. O seu enquadramento permite desfrutar de águas quentes e de um microclima singular.
Vastas dunas e frondosos pinheiros quase a beijarem o mar fazem da Manta Rota uma das praias mais procuradas do oriente algarvio, mesmo antes de se iniciar o cordão dunar e de ilhas – barreira que delimita a Ria Formosa.

Património Arquitectónico

centro artes oficios

•  Centro de Artes e Ofícios da Manta Rota (Antigo edifício do Casino da Manta Rota) – O edifício do antigo Casino da Manta Rota, agora recuperado, é lugar de aprendizagem de artes e saberes tradicionais e realização de eventos culturais.

Património Natural

•  Praia da Manta Rota – Centro turístico que ainda mantém algum do seu carácter de aldeia de pescadores. Longo areal.

•  Ria Formosa – Um cordão de dunas e ilhas onde é possível observar um conjunto significativo de pequenas aves e únicas plantas, constitui um local de rara beleza onde a natureza foi mantida intacta.

- Vila Nova de Cacela:

A freguesia de Vila Nova de Cacela ocupa uma área de cerca de 50 Km2, situada no litoral sotavento algarvio, a pouco mais de uma dezena de quilómetros do rio Guadiana e da fronteira com Espanha. Vila Nova de Cacela está integrada no concelho de Vila Real de Santo António, embora não haja continuidade territorial com as restantes freguesias (Monte Gordo e Vila Real de Santo António). Vila Nova de Cacela desenvolveu-se ao longo da (antiga) Estrada Nacional 125, numa zona de antigas quintas, algumas das quais ainda hoje podem ser identificadas. O desenvolvimento do aglomerado ter-se-á acentuado com a chegada do caminho-de-ferro a Vila Real de Santo António, na primeira década do século XX (1906).

Património Arquitectónico

cacela velha

•  Cacela Velha (zona mais antiga do Concelho) – Primitiva sede do actual concelho de Vila Real de Santo António, a sua existência como centro urbano remonta, pelo menos em termos de vestígios arqueológicos, ao tempo de Romanos e Árabes, embora se lhe atribua origem fenícia.
Habitada pelos romanos, foi “villa” importante ligada à pesca e à salga de peixe, de que foram encontrados vários tanques. No período de ocupação muçulmana tinha muralhas de defesa e, após a reconquista cristã, foi vila com foral outorgado pelo rei D. Dinis, em 1283. Hoje Cacela Velha é uma pequena povoação de agricultores e pescadores, de brancas casas térreas, um magnífico miradouro sobre o mar e os vastos areais da Ria Formosa.
Detêm a credencial de Imóvel de Interesse Público desde 23 de Setembro de 1983.

• Núcleo Museológico – Cacela Velha – Estende-se ao longo da Costa, entre a Manta Rota e Cacela Velha, e é sitio de cruzamento das rotas da História, já que esconde elementos oriundos de diferentes épocas e das várias civilizações que viveram nesta pequena povoação. Alguns exemplos são os fornos ou ânforas romanas, um bairro residencial almoade dos séculos XII e XIII, ou uma necrópole cristã dos séculos XIV a XVI. Esta área está na freguesia de Vila Nova de Cacela, habitada desde o período neolítico.

fortaleza cacela velha

•  Fortaleza de Cacela Velha – É lugar que viu passar quase todas as grandes civilizações mediterrânicas, provavelmente encantadas pela beleza do lugar.

igreja cacela velha

•  Igreja de Nossa Senhora da Assunção – Cacela Velha - Origem em edifício do século XIII de que conserva um pequeno portal lateral gótico. A igreja actual data do século XVI tendo sofrido reconstrução no século XVIII. Pórtico de estilo renascença, com os bustos dos apóstolos São Pedro e São Paulo e pilastras decoradas. Interior de três naves, com arcos ogivais suportados por colunas com bases e capiteis ornamentados com hemisférios e cordas. Capela de Nossa Senhora dos Mártires com abóboda artesoada e arco de estilo renascença. Imagem de Nossa Senhora da Assunção (séc. XVIII) e dois Cristos (séc. XVI). O tesouro sacro inclui uma cruz processional em ferro, decorada com figuras.

- Santa Rita:

Enquadrada na bela Mata de Santa Rita, esta aldeia caracterizada pelas suas casa de um só piso e com platibandas tão características da zona, oferece uma bela vista sobre todo o concelho. Neste local foram encontrados restos de uma represa romana, constituída por um duplo muro dotado de contrafortes, parcialmente destruída. Esta represa atravessou todo o vale de lado a lado permitindo que as águas do ribeiro fossem aproveitadas para irrigações dos terrenos circunvizinhos.
A destacar a Igreja Matriz de Santa Rita, o Santuário e o Parque de Lazer inserido na Mata Nacional de Santa Rita.

Ermida de Nossa Senhora de Santa Rita – Santa Rita – Ignora-se a data da sua fundação, sabendo-se no entanto que é bastante antiga pela documentação que a ela se refere. Tem um só altar onde está colocada a imagem da Santa.

 

 


Planta de VRSA.pdf
1951,82 Kb