Site Autárquico de Vila Real de Santo António

Mapa do Concelho

PUBLICAÇÔES

Áreas Estratégicas

Áreas EstratégicasPrograma «Cuidar»Eurocidade do Guadiana

Rio Guadiana

Azul de Mar e Rio

/util/imgLoader.ashx?img=/upload_files/client_id_1/website_id_1/Concelho/cultura/Turismo/rio_guadiana_2.jpg /util/imgLoader.ashx?img=/upload_files/client_id_1/website_id_1/Concelho/Turismo/Visitar vrsa espanhol/2013_0708_Subida_Guadiana_Peixes_mortos_579.JPG

A designação Rio Guadiana provém da junção do vocábulo árabe para o rio (Uádi) com o nome atribuído pelos romanos (Ana ou Anas). O rio Guadiana apoiou a introdução de sucessivos povos na bacia do mediterrânico no Sudoeste da Península Ibérica. Com a ocupação romana, os recursos mineiros da região eram explorados e escoados pelo Rio Guadiana. Primeiramente o rio foi navegável até a povoação de Mértola, esta localidade possuía moeda própria devido á imensa atividade comercial; inclusive passou a ser uma das rotas comerciais do mediterrânico-atlânticas. Ouro, prata, cobre, trigo, couro, azeite, mel, sal e pescado foram alguns dos produtos que o tráfico fluvial viu passar durante anos. Com a ocupação cristã no Algarve (século XIII) e na Andaluzia (século XV), o rio afirma-se como fronteira entre os Reinos de Portugal e Espanha. As praças fronteiriças de Castro Marim, Alcoutim e Mértola, entregues às Ordens religioso-militares de Cristo e de Santiago, asseguraram o povoamento e defesa dos territórios raianos e a segurança da circulação fluvial. Era muito frequentes as trocas entre o nordeste algarvio rico em produtos da serra e o litoral que possuía o peixe, o sal e os frutos.

Atualmente, o rio Guadiana é um belíssimo lugar junto às Lagunas de La Ruidera, na província espanhola de Albacete . Desagua no Atlântico, junto a Vila Real de Santo António e Ayamonte (Espanha) e percorre uma extensão de 830 km. É navegável nos últimos 48 kms, do Pomarão até à foz, onde a sua largura varia entre os 100 e os 500 metros. Apesar da serenidade dos seus movimentos e da tranquilidade da paisagem ao seu redor, o leito do Guadiana é lugar em permanente mudança, o que lhe permite assumir diferentes características e ser habitat de uma grande variedade de espécies, devido ao encontro entre água doce e água salgada. Ao descer o rio, predomina a água doce até ao Álamo, aqui dá inicio á zona intermédia até ao desague da Ribeira de Odeleite, onde começa a ser dominante a influência de água salgada. Em torno do leito do Rio estendem-se zonas húmidas, planas nos primeiros 10 quilómetros a partir da Foz e mais irregulares desde esse ponto até à zona de Alcoutim.