Site Autárquico de Vila Real de Santo António

Mapa do Concelho

PUBLICAÇÔES

Áreas Estratégicas

Áreas EstratégicasGabinete VRSA EmpregoEurocidade do GuadianaPrograma «Cuidar»

Festas e Romarias

    • Dia da Fundação da Cidade
  • Dia da Fundação da Cidade

    13 de Maio

    A 13 de maio de 1774, nasce a vila pombalina por ordem de Marquês de Pombal. A arquitetura pombalina fez nascer a cidade em menos de dois anos, junto à foz do guadiana, virando-a para o comércio e o turismo.

    Realiza-se a 13 de maio, o Cortejo Histórico e Etnográfico para comemorar a fundação de Vila Real de Santo António e proporcionar à comunidade vivências alusivas ao passado, com alguma “liberdade histórica”.

    Neste dia, a cidade regressa aos séculos XVIII, XIX e XX, sendo a figura principal o Marquês de Pombal. O Obreiro da fundação visita a vila em coche, réplica do século XVIII e ladeado pela sua guarda de honra e seguido por uma comitiva de damas e nobres. O quadro completa-se com o desfile das gentes do povo com os seus instrumentos de trabalho e os seus produtos. Elementos da Igreja da época em questão marcam presença.

     O século XIX realça a sociedade burguesa, com os diversos trajes de damas e cavalheiros, retratando as várias situações económicas. Alguns intelectuais que marcaram este século como Almeida Garrett, Eça de Queiroz, Camilo Castelo Branco e Alexandre Herculano fazem parte do elenco.

    O século XX tem a mais vasta representação  e mostra a realidade rural, urbana e os diferentes grupos socioeconómicos, com destaque para as conserveiras, os pescadores, as criadas de casa e as figuras típicas da vila. A Escola Primária dos anos 60 é ilustrada com as suas carteiras típicas e as crianças usando bibes brancos. Os retratos de Salazar e Carmona encontrava-se por cima do quadro e a professora, sempre com a sua temível régua, é um dos momentos do século XX aqui retratados. O Cortejo Histórico percorre várias ruas da cidade e termina na Praça Marquês de Pombal onde tem lugar uma feira medieval com produtos artesanais.

    • Festas de Santa Rita
  • Festas de Santa Rita

    Julho

    A comissão de festas com o apoio da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António realiza as festas de Santa Rita no início do mês de julho.

    Festa de cariz religioso conta com a procissão da Ermida da Nossa Senhora de Santa Rita, sendo o ponto mais alto e com uma feira tradicional que apresenta os produtos da região. Durante dois dias, centenas de forasteiros visitam a aldeia, para apreciar a doçaria típica algarvia e outros produtos comercializados no local.

    À noite, a festa conta com animação musical, artistas populares locais e grandes nomes da música  já passaram pelo palco de Santa Rita.  

    • Festas de São João da Degola
  • Festas de São João da Degola

    Agosto

    De 24 a 30 de Agosto, na Manta Rota decorrem as festas do São João da Degola organizadas pela Associação “A Manta” com o Apoio Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, Junta de Freguesia de Vila Nova de Cacela, outras entidades locais e regionais e ainda de empresas e comerciantes locais. A aldeia piscatória atualmente virada para o turismo celebra, há vários anos, esta tradição, sendo o seu ponto alto o “Banho Santo”.

    Segundo historiadores, São João Baptista foi degolado no dia 29 de agosto. Assim, religiosamente dá-se o "Banho Público” nesta data. Centenas de “montanheiros”, designação dada às pessoas oriundas da serra algarvia, deslocavam-se até à praia da Manta Rota acompanhados dos seus animais de carga para “dar banho”.

    Atualmente, as pessoas que participam vestem-se á “montanheiro” reconstruindo historicamente o momento. Hoje em dia, há menos serranos a participar na atividade, mas as gerações atuais retratam o momento “ao vivo e a cores”. 

    • Festas de Nossa Senhora da Encarnação
  • Festas de Nossa Senhora da Encarnação

    Setembro

    Celebra-se no primeiro domingo de setembro, a festa religiosa em Honra de Nossa Senhora da Encarnação. 

    A procissão percorre algumas ruas da cidade. Envolve a comunidade católica local e é acompanhada por centenas de habitantes do concelho e turistas que nesta época encontram-se de férias em Vila Real de Santo António.

    Normalmente, a mesma tem início as 18 horas e saí da Igreja de Nossa Senhora da Encarnação, na Praça Marquês de Pombal.

    À noite, um espetáculo musical anima a Praça Marquês de Pombal, sempre com grandes artistas do mundo da música que termina com um espetacular fogo-de-artifício próximo da meia-noite. 

    • Festas de Nossa Senhora das Dores
  • Festas de Nossa Senhora das Dores

    Setembro

    Outrora terra de pescadores, Monte gordo devoto de Nossa Senhora das Dores celebra a festa em Honra da Padroeira no segundo fim de semana de setembro, anunciando o final do verão.

    A festa conta também com uma feira, na zona poente ao Casino de Monte Gordo, onde os tradicionais carrosséis marcam presença e à noite realizam-se vários espetáculos musicais.

    O momento mais prestigiado é a procissão religiosa, pelo seu cariz muito característico, que percorre o areal da Praia de Monte Gordo, sendo acompanhada por milhares de devotos e também pelos barcos de pesca que com as suas buzinas e com o lançamento de foguetes anunciam a passagem do cortejo religioso.

    À noite, a festa conta com a animação musical. O encerramento  celebra-se com um espetáculo de fogo-de-artifício. 

    • Feira da Praia
  • Feira da Praia

    Outubro

    De 10 a 15 de outubro, Vila Real de Santo António conta com a Feira da Praia ao longo da Avenida da República e da Praça Marquês de Pombal. Anualmente acolhe milhares de visitantes, principalmente espanhóis que deslocam-se no dia 12 para comprar na Feira e no comércio local.

    A denominação, Feira da Praia, teve origem no local da realização da mesma, frente aos areais do guadiana em 1774, data da fundação de Vila Real de Santo António. Originalmente criada para promover o alargamento social e económico da vila, tendo como objetivo impulsar as pescarias.

    Na Avenida da república vende-se de tudo um pouco, desde roupas a utensílios de cozinha, passando por artesanato e brinquedos. A Praça Marquês de Pombal é praticamente "reservada" aos produtos alimentares, como feijão, grão, frutos secos, queijos e enchidos de vários pontos do país.