Site Autárquico de Vila Real de Santo António

> Home > Notícias
Mapa do Concelho

Áreas Estratégicas

Áreas EstratégicasGabinete de Apoio ao Emprego Eurocidade do GuadianaAssociativismo

Autarcas, deputados e população consideram que EN 125 está ao abandono

Autarcas, deputados e população consideram que EN 125 está ao abandono

19/04/2018

O Movimento de Cidadania da EN 125 e o Jornal do Baixo Guadiana organizaram, esta segunda-feira, na Biblioteca Municipal Vicente Campinas, em VRSA, um debate sobre o estado de abandono e degradação da EN 125 no troço entre Tavira - Cacela - Vila Real de Santo António.

Com casa cheia e forte participação de autarcas, deputados, comerciantes e cidadãos, a sessão alertou e enumerou as dezenas de pontos negros, buracos e problemas de sinalização existentes neste troço de estrada há mais de uma dezena de anos.

Conceição Cabrita, presidente da Câmara Municipal de VRSA, refere que «o estado desta via é de terceiro mundo, o que revela um total abandono e falta de investimento por parte do Governo no Sotavento algarvio».

Durante a tertúlia, o movimento descreveu as muitas ações que já realizou nas últimas semanas, nomeadamente a entrega de uma petição na Assembleia da República com mais de sete mil assinaturas e a reunião que realizou no Tribunal de Contas.

José Carlos Barros (PSD), Luís Graça (PS), João Vasconcelos (BE), Vítor Hugo Palma, em representação da deputada Teresa Caeiro (CDS), e Paulo Neto, em representação do deputado Paulo Sá (PCP), participaram na sessão, junto com os autarcas Conceição Cabrita (VRSA) e Francisco Amaral (Castro Marim) e os membros do Movimento de Cidadãos Utentes da EN 125 – Sotavento.

Da parte dos parlamentares, a posição foi unânime, tendo todos assumido o compromisso de fazer tudo o que for possível para que se agilize ao máximo a discussão em plenário, na Assembleia da República, para que a tão desejada requalificação passe dos projetos às obras no terreno.

Para as próximas semanas, estão já previstas diversas ações de luta, nomeadamente uma caminhada de protesto, uma nova ronda de reuniões com a Infraestruturas de Portugal e uma campanha que pretende alertar para as centenas de armadilhas existentes nesta via que é a única alternativa à Via do Infante.